PESQUISA NESTE SITE:

17 de julho de 2017

MINAS GERAIS - Sargento de Uberlândia acusado de homicídio é excluído da PM

Clóvis Durade responde por assassinato da professora em 2015. Defesa entrou com mandado de segurança na Justiça Militar.

               O sargento Clóvis Durade Cândido, acusado pelo assassinato da professora Veridiana Rodrigues Carneiro, foi expulso da Polícia Militar de Minas Gerais

               A decisão final do Processo Administrativo Disciplinar - PAD, instaurado pela corporação, ocorreu na última semana pelo governo estadual e agora o comando em Uberlândia-MG aguarda a transferência do ex-policial para um presídio comum.

               O advogado de defesa do réu, Júlio Antônio Moreira, informou que foi impetrado um mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais para tentar suspender a exclusão de Durade. A defesa aguarda o julgamento da ação que deve ocorrer em até 15 dias.

               Segundo o comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Ailton Donisete de Souza, o réu permanecia preso em uma cela do batalhão e, com o fim do processo interno, será transferido para um presídio do Estado.

“Ele foi excluído da PMMG através do processo administrativo disciplinar que respondeu paralelamente ao processo criminal. Já demandamos a transferência dele junto à SEAP [Secretaria de Estado de Administração Prisional]. Estamos aguardando a liberação dessa vaga no sistema”
               Disse.

               O crime ocorreu no dia 27 de outubro de 2015, no Bairro Santa Mônica, depois que Veridiana saiu da escola onde trabalhava. As imagens de câmeras de segurança no local flagraram o policial correndo atrás da mulher e atirando várias vezes contra ela. 
               Treze tiros acertaram a vítima e o homem foi preso em flagrante em um bar.

               De acordo com a família da vítima, Veridiana e Clóvis namoraram por um ano e o homem não aceitava o fim do relacionamento.

               O PAD foi instaurado pela corporação em Uberlândia-MG em maio do ano passado e a comissão contou com três policiais militares. O relatório concluiu que, diante aos fatos, o policial não tinha condições de permanecer no cargo e teve parecer favorável do Comando-Geral em Belo Horizonte-MG e do governo estadual, em última instância.


Esfera judicial

               A data do júri popular ainda não foi marcada e o processo de Durade na Justiça comum segue em tramitação. 

               Em uma decisão da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais publicada em abril, o advogado conseguiu diminuir da acusação duas qualificadoras e o cliente será julgado por homicídio simples.

“Pedimos duas coisas. 
Que fossem retiradas as qualificadoras do homicídio ou que ele fosse absolvido uma vez considerado semi-imputável, ou seja, estava mentalmente incapaz de premeditar o crime naquela ocasião. 
Esse seria mais difícil, mas de qualquer forma já foi uma vitória”
               Comentou o advogado.

               Caso seja condenado, o ex-policial poderá pegar pena de, no mínimo, seis anos de reclusão abatendo o período em que ficou no presídio militar do 17° BPM.

               Com Informações de: G1.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!
Seu nome e sua cidade é muito importante!

UNAIENSES - DESTAQUE - 2017

UNAIENSES - DESTAQUE - 2017
Certificado de Destaque do ano

GRUPO LEIA UNAÍ

GRUPO LEIA UNAÍ
Participe também via Whats do nosso Grupo de Notícias

GRUPO FALA UNAÍ

GRUPO FALA UNAÍ
Participe também do Grupo Público no Whats

LEIA UNAÍ

LEIA UNAÍ

FALA UNAÍ

FALA UNAÍ